Escrito por Valentina De Andrade   
Quinta, 13 de Maio de 2010 19:02

 

A INCORPORAÇÃO.

 

14/09/1988.
Desde a primeira Incorporação através de Roberto, as Individualidades nos ensinaram um gesto reverencioso como saudação, que passamos a utilizar a cada manifestação.

Presenciando que Teruggi estava por receber Meus Amigos cósmicos, lacrimejante de felicidade e fazendo a reverência; pronunciei:

CHEGASTE! POR FIM CHEGASTE!
EU TE AGRADEÇO E REVERENCIO: GLORIA A TI MEU PAI, POR QUE FOSTE, ÉS E SEMPRE SERÁS, A ESPERANÇA DE TODOS OS QUE CONFIAM EM TI.
A Individualidade que ouvia e aguardava com igual respeito, profere:
GLORIA ÀQUELA QUE FOI, É, E SEMPRE SERÁ
MINHA FILHA DILETA E AMADA, ÚLTIMA ESPERANÇA
DE TODOS OS QUE BUSCAM INCANSAVELMENTE:
A VERDADE!

 

Indescritíveis são os momentos vividos! O júbilo cobria nossas vidas que foram de puro encantamento.

Tenho como modus faciendi, aos amigos ou quem seja, jamais imiscuir-me em suas vidas particulares. O relevante para mim, é que mantenham a dignidade.

Passam-se os dias e percebo que Teruggi coopera com os gastos da casa sem nada dizer, como tampouco falava sobre o término das férias. Pergunto quando voltaria ao trabalho e responde-me com gargalhadas entremeadas a explicações de que havia pedido demissão, e que não me preocupasse pois lhe sobravam meios para sustentar os compromissos. Foi então que tomei conhecimento de me unira a um fazendeiro, também estudante de medicina, faltando somente três anos para diplomar-se! Traquinas que sempre foi, se recosta no gramado em estrondosas gargalhadas do meu espanto. Jogando-me em seus braços rolamos felizes no declive do quintal.

Estávamos completamente apaixonados.

 

Assim vivíamos, quando em 28 de Setembro de 1991:

 

 



Actualizado: Segunda, 29 de Outubro de 2018 20:09
 
Banner