Escrito por Valentina De Andrade   
Quinta, 13 de Maio de 2010 19:02

 

VIDENTE?

 

Os noticiários persistiam em noticiar-me sendo a vidente Valentina. Evito resenha sobre fortunas, proprietária de ilhas, sendo uma em particular, com gigantesca cúpula de cristal. As afirmativas foram de outros jornalistas em tempos das primeiras levianas publicações. Desconhecendo tais bens eu deveria ter reclamado a posse e não o fiz. Agora... desinteressei.

Em Belém, a imprensa propalava e também me taxava de corista (podendo-se entender, vedete), líder de multidões de adeptos espalhados pela Holanda, França, Costa Rica e sei lá que países outros. Quanta maledicência! Tenho pensado onde aprenderam e quem lhes auferiu o "direito" a perversidades, serem inescrupulosos e desavergonhados. Teria sido Mefistófeles, ou estagiaram no inferno dantesco? Certamente com os professores convencionais, aposto que não.

Com tanta fama, a "vidente" passou a ser assediada pelas internas que vinham em busca de previsões e ajudas das mais diversas, inclusive, em dias de visitas, pessoas externas me procuravam na finalidade de "consultas." Por pouco não me coloco para concedê-las e ganhar um dinheirinho que em muito ajudaria nos custos advocatícios. Finalmente desistiram após eu afirmar e reafirmar que sim, os repórteres tinham razão; eu era tão vidente quanto elas, pois distinguia com perfeição os pernilongos, aviões e demais. Não deram muito crédito, mas tive um pouco de sossego. Entretanto, deixo aos metidos a sabichões, algo metafísico para que tentem descobrir:

 

"O Amor é o único com quem o 'Silêncio' Pode Desabafar!"

 



Actualizado: Segunda, 29 de Outubro de 2018 20:09
 
Banner