Escrito por Valentina De Andrade   
Quinta, 13 de Maio de 2010 19:02

 

O PARTO.

 

... não conseguiram demover-me de contratar uma parteira e ter o neném em casa.

... quando a menininha nasceu sofri uma hemorragia. Minha mãe torceu o rosto e a escutei dizer: "Hum... que nojo!" E retirou-se. O que senti diante aquele comportamento? Pudor!

... Muitas vezes dei ouvidos àquela avó, para comprazê-la. Temia magoá-la se a contrariasse, e permitia direitos que me pertenciam. Eu a respeitava e queria vê-la feliz. Não gastarei maiores dados.

... na força bruta da necessidade aprendi a cozinhar, o que até então, relegava. O primeiro frango que mamãe matou (faltava-me coragem para fazê-lo) e trouxe para eu limpar, foi "trágico."
Cortei fora o pescoço do bichinho e, quem disse que por aquele orifício saía facilmente o que deveria ser retirado? Mas, aos trancos e barrancos, consegui. Desde então, cozinhar, passou a ser um dos meus "cantares" favoritos.

 

UMA FRASE.

 

Em tempos idos, encarregados de uma emissora televisiva tinham por hábito durante os noticiários, destacarem frases que eram consideradas como famosas, mencionando-as relativas ao dia.

E lá estava: "NUNCA MATEI UMA GALINHA."

Abaixo constava meu nome. Teria sido escárnio ao que foi e continua sendo verdade? Permito-me indagar: É inverossímil que alguém se negue a matanças, ainda que de animais? Se isso os compensa... a mim: Não.

 

LONDRINA.

 

Alguns meses depois o casal decide mudar-se para Londrina, onde meu padrasto tentaria melhores chances de trabalho. Aproximadamente três anos passaram e chega o convite para vivermos com eles. Que alegria! Sentiam minha falta! No fundo, ansiava estar ao lado de quem me gerara e aceitamos ir. Contudo, existia uma expectativa por parte de ambos, mui diferente da que acreditei.

Mauricio encontrou emprego em um hotel que estava por ser inaugurado. Entendido do assunto foi contratado, e eu... também. Seria meu primeiro trabalho fora do ambiente doméstico. Comparecíamos apenas meio período e éramos considerados pelos proprietários que nos retribuíam com respeitoso afeto.

 

 



Actualizado: Segunda, 29 de Outubro de 2018 20:09
 
Banner